Glutamina: Como Tomar E Aumentar A Hipertrofia | Brothers Nutrition

Glutamina

A glutamina é um dos aminoácidos mais importantes para o nosso organismo, devido à sua inúmeras funções. Não à toa é o aminoácido de maior concentração no plasma sanguíneo. Dentre alguns benefícios estão a síntese proteica e o fortalecimento do sistema imunológico.

Mas existem outras informações importantes sobre a glutamina que você precisa saber.


O que é glutamina?

A importância da glutamina

Benefícios

Efeitos Colaterais

Como tomar


O que é glutamina?

A glutamina é um aminoácido sintetizado a partir do ácido glutâmico, da valina e da isoleucina. E assim como outro aminoácido, ela desempenha diversas funções específicas no nosso organismo.

Além disso, ela é encontrada em abundância em diversos órgãos e tecidos e representa cerca de 60% no tecido muscular esquelético, o que nos mostra a grande importância desse nutriente.

No que diz respeito à atividade física, a suplementação com glutamina é essencial para garantir um funcionamento excepcional do organismo, uma vez que a prática de atividades reduz a concentração desse aminoácido e também aumenta a necessidade de ingestão.

Nesse sentido, a demanda de glutamina para a hipertrofia e a síntese proteica é maior do que o corpo é capaz de produzir.

A importância da glutamina

A glutamina está presente em muitas partes e processos realizados no corpo humano. Há dois tipos de glutamina: a L-glutamina e a D-glutamina. No caso da suplementação, estamos falando da L-glutamina, que é a que possui maior relevância nas funcionalidades vitais.

Podemos afirmar que ela realiza funções primordiais para o funcionamento do coração, pulmões, rins, fígado, intestino, tecido muscular e também sistema imunológico.

Benefícios

Os benefícios gerados pelo consumo continuado de glutamina são diversos e decorrem de tamanha importância desse nutriente para as funções vitais, como mencionamos. Entre eles estão:


Na massa muscular

Ajuda na qualidade da construção e manutenção do tecido muscular, já que é o aminoácido mais abundante. Assim, previne a perda muscular;

Contribui para obtenção de energia durante os treinos, pois ajuda na formação da glicose;

Serve como estímulo para a síntese proteica e inibição da degradação proteica, resultando em maior hipertrofia muscular;

Diminui o tempo de recuperação após os exercícios, amenizando o estresse muscular e aumentando a resistência a lesões, combatendo o overtraning;

Atua como condutor de nitrogênio, sendo responsável pelo transporte de 35% do nitrogênio encontrado nas células. Dessa forma, é responsável por manter positivo o balanço de nitrogênio intracelular. Assim, auxilia em treinos de longa duração ou de gasto energético elevado, aumentando o desempenho.

No sistema imunológico

Atua como fonte de energia para o sistema imunológico, podendo evitar doenças relativas à baixa imunidade;

Auxilia na produção de ácido fólico (vitamina B9), indispensável para combater e afastar anemias;

Nas funções vitais

Contribui para a flora intestinal, pois facilita a absorção dos nutrientes e normaliza a permeabilidade e integridade do intestino;

Promove uma melhor renovação das células, consequentemente, melhorando a imunidade e o fortalecimento dos tecidos, como unhas e cabelos;

Aumenta a função cerebral, auxiliando na memória, uma vez que favorece a síntese do neurotransmissor GABA;

Favorece a produção de glutationa, um antioxidante responsável por proteger as células de radicais livres;

Ajuda a manter o pH sanguíneo dentro da faixa adequada, uma vez que permite que os rins expulsem a acidez excedente no organismo, pela urina;

Efeitos Colaterais

A suplementação com glutamina não gera efeitos colaterais obrigatoriamente. Porém, o uso pode afetar a produção natural dos aminoácidos que a compõem a longo prazo.

Além disso, algumas pessoas podem apresentar sensibilidade a esse suplemento. Por isso, deve-se observar o aparecimento de reações não esperadas pelo organismo.

Algumas pessoas podem evidenciar, ocasionalmente, náuseas e vertigens, transtornos intestinais e retenção líquida. Tudo isso é decorrente das propriedades nutricionais e naturais da glutamina, sendo incomum de ocorrer, na maioria das pessoas.

A glutamina é contraindicada em pessoas com problemas nas funções do fígado, portadores de insuficiência renal ou patologias renais e hepáticas.

Crianças, idosos e mulheres grávidas devem realizar acompanhamento de especialistas para consumir este tipo de suplemento.

É imprescindível procurar orientação médica e nutricional para o consumo de glutamina, bem como de qualquer outro suplemento.

Como tomar

A quantidade diária e o horário de tomar a glutamina são individualizados, de acordo com as necessidades específicas de cada pessoa. Em geral, atletas consomem uma dose diária que pode variar de 10 a 20 gramas de glutamina, fracionada em porções de 5 gramas para facilitar a absorção do nutriente.

A glutamina deve ser consumida com frutas ou carboidratos simples (de rápida absorção), porque o aumento da taxa de glicose no sangue promove uma maior velocidade na absorção da glutamina pelo organismo. Isso faz com que seus efeitos sejam otimizados.

Além disso, não é indicado consumi-la em altas temperaturas (líquidos quentes ou receitas expostas ao calor), uma vez que as propriedades do aminoácidos podem ser degradadas.

A ingestão da glutamina costuma ser indicada em alguns momentos do dia: no início da manhã, antes do treino, após o treino e antes de dormir.

De manhã

O consumo de glutamina em jejum intensifica o transporte de glicogênio e repor as energias logo ao acordar evita o catabolismo.

Antes do treino

Ingerir no pré-treino, isto é, de 30 a 60 minutos antes do início dos exercícios aumenta a resistência e evita a fadiga muscular, o que possibilita executar mais repetições.

Após o treino

Consumir a glutamina na refeição pós-treino, torna a recuperação muscular mais eficiente. Além disso, induz a normalização dos níveis de glutamina nos músculos, gastos durante a prática esportiva.

Antes de dormir

Utiliza-la na última refeição do dia beneficia a produção do GH durante o sono, o hormônio do crescimento. Isso faz com que os músculos permaneçam em estado anabólico, em processo de regeneração muscular.

Atenção: ingerir mais de 40 gramas de glutamina por dia pode prejudicar a distribuição dos aminoácidos no organismo e diminuir a absorção de nutrientes pelo intestino, sobrecarregar a função renal e causar dores abdominais. Jamais exceda a dose recomendada pelo seu médico ou nutricionista.